ORIENTAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS

 –Leia com muita atenção, porque essas informações podem evitar a suspensão da sua cirurgia e diminuir as chances de complicações do ato operatório. O período pré-operatório gera grande angústia e medo na maioria das pessoas, podendo interferir na recuperação pós-operatória. No entanto, sabe-se que as orientações pré e pós-operatórias podem reduzir a ansiedade e o estresse antes e depois da cirurgia, com diminuição desse impacto negativo.
Não esconder do médico nada sobre sua saúde, inclusive informar sobre o uso de drogas ou medicamentos. A transparência e sinceridade são fundamentais para minimizar a ocorrência de complicações. 

DICA: Programe suas atividades sociais e profissionais, de modo a não se tornar indispensável por pelo menos 1 dia antes e 10 dias após a cirurgia.
Antecipe a compra da cinta abdominal se indicada pelo cirurgião.

 

Informações básicas:

Ser orientado sobre o que é sua cirurgia e sua recuperação.

Saber sobre possíveis complicações da doença caso não seja realizada a cirurgia.

É importante o paciente e seus familiares terem a ciência dos riscos de complicações cirúrgicas. Dependendo do procedimento os riscos são menores ou maiores.

Saber a qual tipo de anestesia ele será submetido durante a cirurgia.

Para procedimento realizado por convênios, deverá ser checado junto ao hospital se a solicitação já foi autorizada.

  • Jejum de 8 horas: para anestesia geral, raquidiana e peridural. Evitar broncoaspiração durante a anestesia.
    · Jejum de 12 horas: paciente obeso, gestantes, paciente com hérnia hiatal ou grandes tumores intra-abdominais.
    · Anestesia local não necessita de jejum prévio.

Medicamentos de uso habitual – Suspensão Prévia:

  • Anticoagulantes orais (5 dias)
  • Antiagregante plaquetários (7 a 10 dias)
  • AINE (24 a 48 horas)
  • Antidepressivos (3 a 5 dias)
  • Antidiabéticos orais (no dia)
  • Diuréticos inibidores da reabsorção de potássio
  • Ganglioplégicos

Medicamentos que devem ser mantidos até o dia da cirurgia:

  • Anti-hipertensivos
  • Beta-bloqueadores
  • Insulina
  • Broncodilatadores
  • Cardiotônicos
  • Anticonvulsivantes

Tricotomia (retirada de pêlos) É a remoção de pêlos de uma ou mais regiões do corpo. É necessário para diminuir o risco de infecção e deverá ser realizado pela equipe de enfermagem após a internação hospitalar. 
Será realizada no momento da cirurgia

Preparo da pele

  • O paciente deverá manter boa higiene. Retire relógio, pulseiras, aliança, anéis, brincos, piercing, prótese dentária (se tiver) e qualquer objeto do cabelo, devendo ser entregue aos seus familiares ou colocado no cofre que fica em seu quarto. Vista a roupa que lhe será entregue: camisola, touca e propé.
    Mantenha as unhas curtas e limpas, sem esmaltes. 

 

 1) JEJUM completo (inclusive água) desde pelo menos 8 (oito) horas antes da cirurgia. 2) Comparecer ao hospital rigorosamente no horário marcado para a internação

 3) Não utilizar maquilagem, esmalte, grampos, presilhas de cabelo, lentes de contato, próteses, jóias

 (não levar pertences de valor). 4) Levar apenas seus objetos de uso pessoal

Bebidas alcoólicas / Cigarros:
Não ingerir bebida alcoólica 3 dias antes.
Parar de fumar pelo menos 7 dias antes e 3 dias após a cirurgia.
IDEAL: Pare de fumar de preferência meses ou semanas antes da cirurgia.

 5) Não esquecer de levar TODOS os exames pré-operatórios tanto o anestesista como o cirurgião precisarão deles.

6) Discuta com o médico sobre o uso ou não das medicações de uso contínuo no dia da cirurgia.

 8) Caso esteja resfriado ou gripado, com febre, tosse, principalmente se for fumante deve-se retornar ao cirurgião para reagendar o procedimento.

10) Para aqueles que se utilizarão de reembolso de seu plano de saúde sugerimos que verifiquem com antecedência os critérios, mecanismos e valores previamente ao procedimento para que não ocorram desencontros de informações.

 11) Não DEIXE DE COMPARECER ao compromisso sem comunicar previamente o seu médico, lembre-se que toda uma estrutura estará à sua disposição no horário agendado (quarto hospitalar, sala cirúrgica, anestesistas, enfermeiras, cirurgião, auxiliar, instrumentador etc).

12) Caso estejam marcadas para o mesmo dia mais do que uma cirurgia a ordem para a sua realização não será necessariamente aquela estabelecida durante a marcação pois serão sempre priorizadas as crianças e idosos e a seguir operados os adultos jovens. Outra possibilidade de alteração da ordem é naqueles casos em que um paciente já se encontra em condições cirúrgicas, enquanto que um outro ainda está em fase de regularização da sua internação.

– Transporte: 
Você será transportado para o Centro Cirúrgico em maca pela enfermagem do transporte.

 13) Encerrada a cirurgia o paciente permanecerá ainda por um período (variável entre meia hora a uma hora e meia) em uma sala que é chamada “recuperação pós anestésica”. Somente depois de estar totalmente estável com relação às suas funções vitais é que retorná para o quarto.

14) Logo após o procedimento o cirurgião necessitará falar com algum familiar ou acompanhante do paciente para explicar detalhes de como foi a cirurgia, dar orientações quanto ao pós-operatório imediato,, dar a previsão de alta etc. Portanto, é necessário que a pessoa permaneça no hospital até que ocorra este contato com o médico.

 

– Período Pós-Operatório:
Término da cirurgia: Assim que terminar a cirurgia, poderá ser encaminhado para a U.I. (Unidade de Internação), R.A. (sala de Recuperação Anestésica) localizada no Centro Cirúrgico ou para a C.T.I. (Centro de Terapia Intensiva) dependendo da cirurgia e condições clínicas do cliente. 
Você poderá ficar na R.A. até melhorar suas condições clínicas se recuperando da anestesia até o efeito dela passar, sendo monitorizado e acompanhado pela enfermagem e pelo anestesiologista. 
Tempo de permanência: Geralmente o cliente fica na R.A. em um período de no mínimo de 15 min. e no máximo de 120 min., podendo permanecer por mais tempo dependendo da necessidade. Alta da R. A: É dada após a avaliação do Anestesiologista.

 15) Por ocasião da alta do hospitalar o paciente deverá estar acompanhado de algum responsável. Também não deverá dirigir automóvel. É desaconselhável a utilização de qualquer meio de transporte coletivo (ônibus, trem ou metrô) devendo ser evitados os ambientes abafados, superlotados e que balancem muito. Caso haja alguma intercorrência, no trajeto para casa, é preciso que o veículo em que se esteja tenha a possibilidade de retornar rapidamente ao hospital.

Se acontecer algum problema em sua residência, entre em contato com seu cirurgião ou retorne ao hospital caso não o encontre.